Author Archives: Rodrigo Almeida de Oliveira

Kanban não é um cartão, é um espaço

Nesta enquete que eu fiz no linkedin (https://bit.ly/2zZ1s1G), perguntei o que era kanban (com k minúsculo) para as pessoas. Estas foram as respostas: Sinto informar que maioria, 61%, que votaram na opção “Um processo de trabalho”, errou. A segunda mais votada é um significado para o Método Kanban, com K maiúsculo (mais detalhes adiante). Também…

Continue lendo →

WIP e Qualidade

Muita gente entende que trabalhar com #kanban é limitar WIP. Não é bem assim. O objetivo de um sistema #kanban não é limitar o WIP. O objetivo é melhorar o fluxo de valor de forma que WIP baixo seja possível. Limitar o WIP é um, dentre vários, estressor para fazer o sistema fluir. O #KMM…

Continue lendo →

Filtros de decisão de fato ágeis

Como líder de negócios, tomar decisões sobre como levar vários projetos adiante pode ser uma tarefa assustadora. Fazer a escolha certa pode ser uma fórmula difícil de alcançar. Então, como você pode saber como proceder e qual tarefa resolver primeiro? Ter muitas opções e a riqueza de tempo gasto peneirando várias opções e prioridades pode…

Continue lendo →

Sobrecarga das Pessoas, Kanban e o Trabalho em Progresso.

Muitos interpretam o método Kanban como um método que não considera as pessoas. Que foca na eficiência, nos processos, no mecanicismo. Ledo engano. Kanban tem como uma das suas agendas, a sustentabilidade, por meio do limite do WIP. Quando aplicamos esta prática, estamos preservando a capacidade das pessoas de darem soluções criativas para os problemas…

Continue lendo →

As 8 faces da gestão de fluxo

Pessoal, neste artigo, queremos dar uma visão mais ampla sobre a gestão de fluxo ligado ao trabalho do conhecimento. Vamos abordar algumas dimensões da gestão de fluxo que podem passar despercebidas no dia-a-dia e, por isto, nos levar a tomar decisões erradas. Existem algumas dimensões para que uma gestão de fluxo seja de fato eficaz.…

Continue lendo →

Médias, desvios e os eventos raros.

Médias, desvios e os eventos raros. O que podemos usar para tornar o sistema mais antifrágil? Análise de tendências de lead time do sistema. Não estaremos aqui discutindo a importância de se medir o lead time do sistema e o Throughput (vazão). Já avaliamos isto em tópicos anteriores. O que vamos tratar aqui é sobre…

Continue lendo →

Kata e as métricas de fluxo

No dia-a-dia da gestão de fluxo precisamos ter alguns cuidados, digamos, rotineiros. Na Toyota, um dos fundamentos do grande sucesso do seu sistema de gestão, o Toyota Production System, é a execução do Kata. Mas o que é o Kata? Se trata de movimentos repetidamente realizados até que se obtenha a perfeição. A origem vem…

Continue lendo →

Lei de Little e Simulação de Monte Carlo

Continuando o post anterior, onde falávamos sobre o exercício proposto pelo Rodrigo Yoshima, no #LKBR19 , como podemos confiar se a previsibilidade apontada pelos cálculos é confiável? Podemos utilizar métodos de simulação, como a Simulação de Monte Carlo. Existem diversos métodos de simulação, mas a Simulação de Monte de Carlo é bem simples e muito…

Continue lendo →

Ice Breaker

Na abertura do LeanKanban Brazil 2019, Rodrigo Yoshima nos colocou um exercício como forma de um “ice breaker” O exercício foi o seguinte. Dado o histograma abaixo, pede-se: Qual a sua distribuição e o seu formato? Qual o percentil 90? Qual a média? Dado que o serviço tem WIP estável em 8, quantas entregas serão…

Continue lendo →

Previsibilidade em gestão de fluxo

Trabalhar com previsibilidade em gestão de fluxo de demandas parece para muitos algo complexo ou inalcançável. É muito comum encontrar gestores confusos ou céticos no meu dia-a-dia o que me leva a questionar: “Como poderia demonstrar que algo que é simples de fato se torne simples para as pessoas?” Pois bem, vejamos estes dados de…

Continue lendo →