Menu fechado

Design Thinking: Mais um braço Agile

Nesta semana eu e o Phillip Calçado compartilhamos uma coisa: nós lemos artigos numa revista fora do mundo de tecnologia (se é que existe isso hoje em dia) e achamos conceitos ágeis lá. Veja este post no blog gringo dele:

BigPharma Problems & Solutions: Have You Seen This Before?

Na edição brasileira da Harvard Business Review de junho/2008, Tim Brown escreveu um artigo apresentando o “Design Thinking”. Ao ler o artigo ví que Design Thinking é recheado de conceitos ágeis. Muito recheado! É praticamente uma abordagem ágil para a inovação em todas as esferas empresariais.

A abordagem de [Thomas] Edison é um dos primeiros exemplos do que hoje se chama design thinking – metodologia que imbui todo o espectro de atividades de inovação de um etos de concepção centrado no homem… Edison não era um cientista especializado num campo apenas – era, antes, um generalista com aguçado tino comercial. Em seu laboratório em Menlo Park, New Jersey, Edison se cercava de gente com talento para improviso e experimentação. Na prática, derrubou o mito do “inventor genial e solitário” ao criar uma abordagem de equipe à inovação.

Preste atenção nesta parte:

A idéia era justamente não corroborar hipóteses preconcebidas – mas ajudar o investigador a aprender algo a cada lance iterativo.

(grifo meu)

[photopress:capa_junho08_1.jpg,full,alignleft] É interessante ver como pragmatismos estão florescendo dentro no mundo empresarial das pessoas espertas e como mais e mais rigidez e controle estão obscurecendo a vida das empresas burras. Design Thinking é uma perspectiva humana para a solução dos problemas. É o envolvimento de cada indivíduo, de cada mente, na busca de uma solução viável e criativa. Isso envolve empatia, raciocínio integrativo, otimismo, experimentação e colaboração. O Design Thinking é a dinâmica de um processo colaborativo de inovação. Relatando um caso de solução para um problema de um grupo de enfermagem da Kaiser (não é a fábrica de cervejas), Tim Brown acrescenta o que colaborou para a solução:

…as equipes de inovação exploraram soluções potenciais por meio de brainstorming e prototipagem rápida… Um teste com protótipos não precisa ser complexo e nem caro. Um protótipo deve consumir apenas a quantidade de tempo, esforço e investimento necessária à geração de um feedback útil a evolução da idéia – nada mais. Quanto mais “acabado” parecer um protótipo, menor a probabilidade de que seus criadores ouçam o feedback – e se valham dele.

Olha que engraçado! A HBR, uma revista tradicionalíssima, está dizendo que meus protótipos visuais estão certos! Quando aquele gerentinho metido torcer o nariz poderei falar: “- Você leu o artigo sobre Design Thinking na Harvard Business Review?” 😉

…o que ocorreu na equipe de enfermagem da Kaiser não foi um avanço súbito e revolucionário, nem o estalo de um gênio – foi fruto do trabalho árduo realçado por um processo criativo de descoberta centrado no ser humano, seguido de ciclos iterativos de testes com protótipos e aperfeiçoamento.

Esta é a parte que mais gostei (comentários meus entre parênteses):

O melhor jeito de descrever o processo de design é metaforicamente (Beck?) – como um sistema de espaços, em vez de uma série predefinida de passos ordenados (Gantt?). Esses espaços delimitam tipos distintos de atividades correlatas que, juntas, formam o continuum da inovação. O Design Thinking pode parecer caótico para um marinheiro de primeira viagem (seu chefe?). Mas, no decorrer de um projeto, os participantes acabam entendendo que o processo faz sentido e produz resultados (um release?), ainda que sua arquitetura seja distinta do processo linear fundado em marcos intermediários característico de outras atividades empresariais.

Este parágrafo no artigo é uma das melhores definições que já ví a respeito da natureza de um processo de design. Desenvolver software é 100% design. Isso foi tão contundente pra mim que contactei o Tim Brown – o autor do artigo – perguntando se ele tinha sido influenciado pelas práticas do Agile Software Development. Veja a resposta dele entre outras coisas:

From: Tim Brown
Date: 2008/7/2
Subject: Re: Article about Design Thinking on Harvard Business Review
To: Rodrigo Yoshima

Hi Rodrigo,
It doesn’t surprise me to hear that software design shares many of the same characteristics as design thinking. You are right that there has not been a lot of interaction between these two communities other than through the computer human interaction folks where I think a lot of these same issues have been discussed.

Thanks for making the link.

Best regards
Tim

On 6/30/08 5:53 PM, “Rodrigo Yoshima” wrote:

> Hi Tim,
> I’ve just read your article about Design Thinking and I’m
> just very very curious about how you put Design Thinking
> pratices together. Design Thinking concepts are very close
> to Agile Software Development Practices. Have you ever
> heard about it? Take a look at www.agilemanifesto.org.
>
> I see that the values of the Agile Manifesto is our flag of
> Design Thinking on Software Development. 100% of the
> software construction is design. Agile Practices are:
>
> – Human centered / Focused on Team Work
> – Iterative / Cyclical / Feed-back based
> – Use a lot of Prototypes / Sketches
> – Empirical
>
> I guess that you can really benefit from the contents
> that our community have being studying for the last 20 years.
>
> Cheers.
>
> Rodrigo Yoshima
> ASPERCOM / MundoJava

Sim! Mais uma vez provamos que o futuro do mundo empresarial é empírico e pragmático. Mais uma vez está provado que rigidez e processos inflexíveis impedem a inovação. Quem só tem martelo na mão só vê pregos pela frente… e sai martelando tudo.

6 Comentários

  1. magno

    rodrigo,

    Qqer edicao da hbr q vc pegue estara recheada de conceitos ageis. Sou assinante da revista a algum tempo e a considero a melhor referencia impressa hj para quem esta nesse meio. Nao eh por acaso q uma das fontes de origem do scrum, o artigo the new new…, foi uma publicacao da hbr.

    Abracos!

  2. Rodrigo Yoshima

    Essa foi uma reviravolta bem grande. Eu lia bastante quando estava na universidade, mas naquela época não era a leitura agradável que é hoje. Naquela época ainda vivíamos a administração por números apenas!

    Nessa mesma edição tem o artigo sobre as contradições da Toyota. Muito bom também.

    Não sou tão fã a ponto de assinar, o ruim disso é que quando compro uma edição pago R$ 34. O revistinha cara!

  3. Pingback:Débito Técnico » Blog Archive » Um poster bem ágil

  4. denise eler

    Parabens, Rodrigo!

    Tanto Design Thinking quanto Agile são reflexos de uma mudança cultural advinda do esgotamento de um mindest industrial para lidar com a complexidade do mundo contemporaneo.

    Na sua opiniao, ql o maior case em Agile, ou Scrum, especificamente?

    Beijo

    Denise

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *